19 abril, 2024

Como os dados podem transformar o Seguro Auto

A s compras de fim de ano estão a todo vapor, e os clientes não estão apenas procurando presentes para familiares e amigos. Eles também estão em busca de taxas melhores em seus seguros de automóveis. Na verdade, a compra de seguros de automóveis atingiu recordes nos últimos três anos, à medida que mais motoristas consideram mudar de operadora em busca de preços premium mais baratos. Para os condutores, as férias e os meses de inverno significam estradas com neve e gelo, condições perigosas e riscos acrescidos durante a condução. Para as seguradoras, o inverno acrescenta outra camada escorregadia aos seus desafios de rentabilidade.

À medida que as seguradoras aumentam os preços dos prémios para compensar o aumento das perdas, os clientes estão a chegar a um ponto em que não podem pagar o seu seguro automóvel. É uma tempestade de inverno perfeita, e as seguradoras que não conseguirem encontrar maneiras melhores de atrair e reter clientes ficarão de fora. Melhorar a retenção começa com uma melhor compreensão das necessidades dos motoristas. comportamento e uma maneira melhor de estimar o valor da vida útil dos clientes. Há mais dados disponíveis do que nunca sobre como as pessoas dirigem, andam, andam de bicicleta e usam outros meios de transporte – e se as seguradoras souberem como usá-los, poderão reverter as deserções de clientes e transformar os dados em presentes que continuam sendo oferecidos.

As seguradoras precisam de uma maneira melhor de reter clientes No mercado altamente competitivo de hoje, as companhias de seguros não conseguem responder à inflação e a outras pressões do mercado simplesmente aumentando as taxas de prémios em todos os níveis. Essa é uma maneira infalível para as seguradoras continuarem a perder ainda mais clientes no novo ano – especialmente aqueles clientes de alto valor vitalício (ou seja, clientes de menor risco) que as seguradoras precisam manter em seus livros.

Em vez disso, as seguradoras precisam precificar os clientes de forma mais precisa e justa para criar resultados de seguros previsíveis, índices de sinistralidade melhores e decisões mais lucrativas para seus resultados financeiros. O que está impedindo as empresas de atingir esses objetivos? A resposta se resume à abordagem tradicional de avaliação e precificação dos clientes. Muitas seguradoras contam com indicadores — como idade, histórico de crédito e sexo — para avaliar os clientes e prever a probabilidade e o custo de acidentes.  

Embora essas métricas forneçam informações antecipadas para prever o risco, os proxies muitas vezes não conseguem fornecer a precisão de preços que as seguradoras esperam alcançar. Isso ocorre porque eles não fornecem visibilidade e previsões precisas do comportamento real de direção na estrada. As seguradoras que dependem demasiado de proxies fazem frequentemente avaliações incompletas sobre os condutores, o que pode levar à subvalorização dos condutores inseguros e ao sobrepreço dos mais seguros. Não faz sentido cobrar mais de um motorista seguro de 20 anos do que de um motorista de meia-idade que acelera e envia mensagens de texto enquanto dirige.  

Essas decisões não são apenas injustas para os motoristas, mas também ruins para os negócios. Chegou a hora das seguradoras irem além dos proxies e adotarem uma abordagem mais inteligente e estratégica em relação aos preços, renovações e retenção dos clientes. Como as seguradoras podem ganhar mais com os dados telemáticos A melhor maneira de avaliar os clientes e determinar os riscos na estrada é avaliar os hábitos reais de condução do cliente. Ao concentrarem-se nos comportamentos reais de condução, as seguradoras podem alcançar melhor precisão e sofisticação de preços, impulsionando uma melhor retenção de clientes e um maior valor da vida útil do cliente. Mas, até agora, houve uma lacuna significativa no que diz respeito à compreensão e análise do comportamento ao dirigir.

Os dados telemáticos atuais — obtidos de smartphones, dispositivos automotivos e dos próprios carros conectados, com a permissão do usuário — ajudam a preencher essa lacuna, oferecendo maior visibilidade e insights precisos sobre os hábitos de direção. Esta informação é mais confiável, relevante e abrangente do que nunca. À medida que as seguradoras trabalham para conquistar e reter clientes, também precisam extrair mais valor dos dados; aqui estão três maneiras de fazer isso: Obtenha insights mais profundos e significativos Há mais dados coletados sobre o comportamento ao dirigir do que nunca. O desafio é traduzir essas informações em insights significativos e contextualizados.

Os dados telemáticos atuais não capturam apenas como as pessoas vão do ponto A ao ponto B. Eles oferecem profundidade e amplitude de insights, como quando alguém acelera ou freia constantemente quando mudam de rota e dirigem em estradas desconhecidas e informações contextuais, como o limite de velocidade das estradas percorridas e as condições climáticas em que estão dirigindo. Imagine como esses insights podem ser aplicados às viagens de férias. Embora saibamos que os feriados trazem níveis mais elevados de tráfego e um maior número de acidentes, os dados da Arity mostram que os motoristas são mais propensos a acelerar para casa após os dias de Ação de Graças e Natal. Munidos desta informação, os condutores poderiam ser incentivados a evitar viajar durante estes períodos ou a prestar mais atenção na estrada. Da mesma forma, as seguradoras de automóveis poderiam incentivar os motoristas a fazer planos de viagem de férias mais seguros, fornecendo feedback e treinamento e recompensando-os com franquias reduzidas da apólice por comportamento seguro ao dirigir, especialmente perto dos feriados e durante meses de inverno.

Acesse e analise informações em tempo real Muitas seguradoras têm evitado usar dados telemáticos porque não querem um período de monitoramento que as obrigue a esperar até que tenham coletado dados de condução suficientes para precificar com precisão. Esse não é mais o caso. As seguradoras hoje podem acessar dados em um ritmo mais rápido para obter insights confiáveis, relevantes e que respondam às condições da estrada. Essa abordagem capacita as seguradoras a precificar com confiança e instantaneamente. As seguradoras que levam em conta dados sobre comportamentos de direção na fase de cotação podem eliminar a necessidade de períodos de monitoramento e ajustes de preços no futuro. Ao aproveitar informações e insights em tempo real, as seguradoras podem definir preços precisos para os clientes com base em sua condução real e responder às mudanças na frequência e na gravidade para oferecer tarifas justas e competitivas.

Pode ser oferecida aos condutores seguros uma tarifa com desconto, enquanto os condutores de risco podem ser incentivados a conduzir com segurança através de uma recompensa tangível, como um desconto futuro ou uma penalização, como um prémio mais elevado que reflita o seu risco mais elevado. Os mesmos dados podem ser usados ​​para precificar os segurados existentes na renovação. Em vez de utilizar a proverbial abordagem da pasta de amendoim de distribuir prémios mais elevados a todos, porque não utilizar informações reais sobre o comportamento de condução para determinar quais os segurados que merecem taxas mais elevadas e quais não? Com esta abordagem sofisticada de renovação, as seguradoras têm maior probabilidade de reter os seus melhores motoristas.

Fortalecer a escala e a sofisticação da telemática Tem havido falta de dados telemáticos disponíveis na escala necessária para proporcionar valor tangível às companhias de seguros. Isso está começando a mudar. Os avanços na análise de dados estão a tornar a telemática mais acessível, mais viável e mais útil na compreensão e previsão do comportamento de condução numa escala sem precedentes. Embora o setor de seguros tenha feito progressos no uso da telemática para descontos iniciais, as seguradoras precisam dimensionar o uso em toda a cadeia de valor.

Com maior escala e sofisticação dos dados telemáticos, as seguradoras podem renunciar à oferta de um desconto genérico de participação e, em vez disso, visar clientes com taxas competitivas, bem como melhorar os preços de renovação para clientes existentes para aumentar a fidelização. Um banco de dados telemático em grande escala também pode ajudar as seguradoras a comercializar e converter clientes de alto potencial com valor vitalício. Além disso, pode melhorar o processamento de sinistros e sinistros, proporcionando valor e economia para clientes antigos, novos segurados e clientes em potencial.

Definir preços para as pessoas com base em como elas dirigem, não em quem elas são O inverno não durará para sempre. O mesmo não aconteceria com o êxodo de clientes que abandonam as suas transportadoras. Com melhores dados telemáticos e melhores maneiras de aproveitá-los, as seguradoras podem ir além dos proxies tradicionais e definir preços para as pessoas com base em como elas dirigem, e não em quem elas são, onde moram ou qual sua pontuação de crédito é. Isto é agora possível com dados telemáticos disponíveis em grande escala, sem períodos de monitorização. As seguradoras não podem controlar o gelo nas estradas ou as condições de neve. Mas podem enfrentar os desafios da condução no inverno adotando a telemática para melhorar os preços e a retenção dos clientes e evitar deixá-los no frio.

Voltar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *