19 abril, 2024

LGPD: vale a pena terceirizar o serviço de TI para se enquadrar?

As mudanças regulatórias atuais trazem dúvidas no processo de adaptação para as empresas. A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), em vigor em setembro de 2020, impulsionou mudanças em ampla variedade das áreas de negócios: desde a captação de dados dos leads, pelo time de marketing e vendas, até o gerenciamento de processos de tecnologia – todas essas formas foram afetadas pela nova lei.

Isso foi um grande progresso para o Brasil, principalmente depois que casos de uso indevido, comercialização e violação de dados foram descobertos em todo o mundo. Assegurar o direito à privacidade e à proteção dos dados pessoais é o objetivo da LGPD; para constituir regras claras de tratamento e fortalecer a segurança das relações jurídicas, a lei demonstrou que a Tecnologia da Informação é um dos setores essenciais para a efetiva adequação à norma.

“Uma equipe de tecnologia voltada a garantir processos seguros e com o que existe de mais moderno no setor é capaz de estabelecer as melhores práticas de segurança de dados dentro de uma empresa. No entanto, manter um time alinhado, motivado e com boa infraestrutura de trabalho tem um custo altíssimo para um negócio. Hoje, as empresas investem cerca de 8% do faturamento em TI, segundo pesquisa da FGV. O dado comprova não só a dimensão que a transformação digital tomou em nossas vidas, mas também a responsabilidade desse setor dentro de uma empresa”, explica Manoel Valle, presidente da Associação Brasileira de Provedores de Serviço de Apoio Administrativo (Abrapsa).

Dessa forma, diversas empresas preferiram aderir ao ‘outsourcing’ de TI para melhor gerenciar o setor internamente, delegando os cuidados com manutenção, gestão de pessoas, atualizações de software e, claro, cumprimento de normas como a LGPD. 

O outsourcing de TI nada mais é do que a terceirização dos serviços relacionados à tecnologia da informação. Todo empreendedor pensa em terceirizar pelo menos um dos serviços de sua empresa. Certamente, a melhor maneira de realizar tal abordagem é estudar e observar os problemas que serão enfrentados.

“Quando a empresa opta por manter internamente uma equipe, é preciso colocar na ponta do lápis custos como encargos trabalhistas, férias e 13º, além dos custos com os equipamentos e softwares utilizados pelo time. Por ser um serviço especializado, não é raro que o outsourcing de TI se torne mais vantajoso para muitos negócios — especialmente em tempos de adequação às novas exigências, para as quais muitas empresas vêm enfrentando dificuldades”, salienta Valle.

As empresas também reconhecem a importância da Tecnologia da Informação. Saber que a segurança da informação existe hoje é importante para os consumidores. De acordo com a pesquisa McAfee Global Trends 2022, os consumidores percebem mais riscos associados à exposição e ameaças online.

O estudo, feito em novembro de 2021, contou com a participação de 10 mil participantes em diversos países, incluindo o Brasil, e constatou que 71% dos entrevistados pagariam 10% a mais por compras seguras, enquanto apenas 13% disseram que correriam o risco de vazar informações de contato para conseguir uma compra a um preço mais baixo.

Garantir o uso seguro do espaço digital é uma prioridade, e a LGPD está diretamente relacionada a essa tendência. O ambiente digital teve que se adaptar para se tornar mais seguro, mudando gradativamente a forma como os dados eram coletados, armazenados e fornecidos. As dificuldades que as empresas encontram no processo de alinhamento ainda são evidentes. Uma pesquisa realizada pelo RD Station em 2021 mostrou que as empresas são incapazes de se adaptar às novas exigências: 93% das quase mil empresas que participaram do estudo dizem conhecer ou pelo menos já ter ouvido falar da LGPD, mas apenas 15% se mostram prontas ou na reta final de preparação, mesmo a lei já prevendo sanções desde o dia 1º de agosto de 2021.

As empresas que não definirem protocolos claros para a proteção dos dados pessoais de consumidores e funcionários, podem ser multadas em até 2% da receita. Portanto, em casos de percalços para a adequação à nova norma, uma boa estratégia é investir na terceirização deste serviço. Além de gerar economia para a empresa, o processo tende a se tornar mais eficiente e célere, uma vez que empresas de outsourcing já dominam os desafios dessa adaptação.

Voltar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *