2 julho, 2022

Aumento do ICMS de São Paulo reduz em 6% a venda de usados

Projeções do setor apontam que a retração pode chegar a 30% nos próximos meses

As transações com veículos usados no Estado de São Paulo somaram 370,2 mil unidades, recuando 6% na comparação com janeiro. A informação foi divulgada pelo Sindiauto, que reúne revendedores de usados. A entidade atribui o desempenho negativo ao aumento de 207% na alíquota estadual do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

De acordo com o Sindiauto, projeções indicam que a retração nas vendas pode chegar a 30% nos próximos meses. Os veículos com quatro a oito anos de uso foram os mais afetados em fevereiro, anotando queda de 7% na comparação com janeiro. Segundo a entidade, o ICMS de um usado de R$ 50 mil saltou de R$ 900 para R$ 2.763 com a nova cobrança que entrou em vigor na metade de janeiro.

Os revendedores temem a perda de 1 milhão de postos de trabalho diretos e indiretos no Estado. Nessa conta não são considerados apenas lojistas e concessionárias, mas também casas de autopeças, oficinas, despachantes e financeiras.

Em seu balanço bimestral, a Fenabrave, que reúne as associações de concessionários, informou que os automóveis e comerciais leves de segunda mão vendidos no Estado representavam quase 40% do total nacional, mas em fevereiro essa participação caiu para 31,2% como consequência do aumento da carga tributária.

“Isso representa queda nas vendas para o lojista, redução de empregos, aumento da informalidade e a saída de revendedoras de carros do Estado”, afirma o representante do Sindiauto, Marcelo Cruz.
Voltar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.